Minas Gerais

Funed é referência para diagnóstico de fungo com alto potencial para surtos hospitalares

Publicados

em

 

O Serviço de Doenças Bacterianas e Fúngicas (SDBF) do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-MG) da Fundação Ezequiel Dias (Funed) é o laboratório regional de referência para diagnóstico da Candida auris, fungo reconhecido como de alto potencial de causar surtos hospitalares. Isso porque algumas de suas linhagens apresentam perfil de resistência à maioria dos antifúngicos.

O Lacen-MG/Funed sempre fez parte da rede de identificação de C. auris, formada em 2017. Em virtude do fluxo estabelecido, os laboratórios dos hospitais de toda Minas Gerais deveriam enviar os casos isolados suspeitos de C. auris para a Funed e a Fundação enviaria para o laboratório de referência, que na época era o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC/FMUSP).

Em 2020, esse diagnóstico ganhou mais relevância, uma vez que foi descrito o primeiro caso de C. auris do Brasil, em um paciente com covid-19 no estado da Bahia. Desde então, a Coordenação Geral de Laboratórios (CGLAB), do Ministério da Saúde, fez um levantamento de quais Lacens possuem o equipamento MALDI-TOF e teriam condições de receber amostras de outros Lacens. “Como o SDBF já havia adquirido o equipamento, o Lacen-MG/Funed passou a ser um laboratório de referência regional para identificação de C. auris, atendendo além de MG, os estados do ES e RJ”, conta Carmem Faria, chefe do SDBF.

Ela explica que os métodos manuais não são adequados para identificação de Candida auris devido às semelhanças bioquímicas e micromorfológicas entre as espécies de leveduras do gênero candida, principalmente a Candida haemulonii. Por esse motivo, segundo o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), a identificação de Candida auris deve ser baseada em MALDI-TOF com banco de dados atualizado, métodos moleculares baseados em qPCR ou sequenciamento das regiões D1-D2 do 28s rDNA ou da região ITS do rDNA.

A Funed usa a metodologia MALDI-TOF (matrix-assisted laser desorption/ionization time-of-flight mass espectrometry, ou ionização/dessorção a laser assistida por matriz acoplada a espectrometria de massa por tempo de voo), que é uma técnica baseada em conceitos proteômicos – que consiste na análise global e em larga escala do conjunto de proteínas e suas formas expressas em uma amostra biológica – que permite a identificação rápida e eficaz de microrganismos. “Essa metodologia foi desenvolvida pelo pesquisador japonês Koichi Tanaka, da Shimadzu Corporation e, de tão revolucionária, ele foi agraciado por essa invenção com um prêmio Nobel de química, em 2002”, explica Carmem.

Leia Também:  Jean Paulo faz referência a Cirilo, de Carrossel, e internautas se impressionam

A análise permite que o material biológico a ser examinado seja colocado em uma matriz sólida polimérica, seguida da irradiação por raios laser, os quais fazem com que a amostra sofra uma vaporização e ionização das moléculas. Esses vapores são aspirados e direcionados a um detector, que mede o tempo da chegada das moléculas a esse dispositivo.

O resultado, em forma de gráficos e picos específicos, é analisado por um computador que, por meio de um software, compara e interpreta esse padrão gerado com um banco de dados existente. “Cada microrganismo/molécula possui padrões específicos — uma espécie de “impressão digital” — quando são submetidos a esses processos. Dessa forma, é possível obter uma identificação rápida e precisa do microrganismo”, detalha Carmem.

Análises

No ano de 2020, foram recebidas pelo SDBF 68 amostras para identificação de leveduras. Dessas, 45 (66,2%) foram Candida albicans, que é o fungo mais isolado em amostras humanas, seguido de Candida sp., com 6 (8,8 %) isolados e Candida haemulonii, com 6 isolados (4,4 %).

Em 2021, até o mês de agosto, foram recebidas 71 amostras. Dessas 25 (35,2 %) foram de Candida albicans, seguido de Candida glabrata e Candida tropicalis, com 11 (15,5 %) de cada espécie, seguido de Candida parapsilosis, com 6 (8,5%) isolados. Ou seja, até o momento, nenhum caso de Candida auris foi diagnosticado pelo Lacen-MG/Funed, o que reforça a continuidade do trabalho de diagnóstico para a vigilância, uma vez que um caso desse, embora seja raro, pode trazer grande impacto negativo às estruturas de saúde pública.

Leia Também:  22 presos fugiram do presídio em Paraíso

Carmem avalia que, cada vez mais, técnicas avançadas para o apoio diagnóstico são desenvolvidas e aprimoradas pela indústria, auxiliando decisivamente na prática clínica diária. “Tendo em vista esse cenário de avanços tecnológicos, a Funed, como Lacen-MG, está sempre atenta para incorporar as evoluções no diagnóstico das doenças de interesse da saúde pública, no intuito de fornecer o que há de mais avançado para a população do nosso estado e do Brasil”, afirma.

A gestora acrescenta ainda que, o fato de a Funed ter implantado uma metodologia desse porte, permite liberar os resultados mais rapidamente e com maior acurácia. “Isso proporciona maior rapidez na resposta para o paciente, médico e Vigilância em Saúde, uma vez que, após a implantação dessa metodologia, nós não dependemos mais de enviar as amostras para identificação em outros laboratórios de referência”, afirma.

13/9- Dia Mundial da Sepse

Um dos riscos da evolução da Candida auris pode ser a sepse – que é um conjunto de manifestações graves em todo o organismo, produzidas por uma infecção. De acordo com o Ministério da Saúde, a sepse era conhecida antigamente como septicemia ou infecção no sangue. Hoje é mais conhecida como infecção generalizada.

Na verdade, não é uma infecção que está em todos os locais do organismo. Por vezes, a infecção pode estar localizada em apenas um órgão, como por exemplo, o pulmão, mas provoca em todo o organismo uma resposta com inflamação numa tentativa de combater o agente da infecção. Essa inflamação pode vir a comprometer o funcionamento de vários órgãos do paciente. Esse quadro é conhecido como disfunção ou falência de múltiplos órgãos.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Minas Gerais

Minas distribui mais de 633 mil doses de vacinas contra a covid-19

Publicados

em


A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) iniciou, neste sábado (25/9), o repasse de 633.030 doses de imunizantes contra a covid-19 às Unidades Regionais de Saúde (URSs). São 544.050 doses da Pfizer e 88.980 da AstraZeneca. Esta remessa faz parte do 53º lote de vacinas contra a covid-19.
 

A tabela com as doses que serão distribuídas por municípios será divulgada em breve pela SES-MG.

As doses do imunizante da Pfizer são destinadas para o reforço da vacinação de pessoas imunossuprimidas, que tenham 28 dias de aplicação da segunda dose, e idosos de 79 a 75 anos de idade, que tenham 6 meses da aplicação da D2.

As doses serão destinadas, ainda, para completar o esquema de vacinação (D2) de pessoas de 50 a 54 anos de idade, de trabalhadores industriais e de caminhoneiros. Além disso, a Pfizer também será utilizada para iniciar a vacinação (D1) de adolescentes de acordo com os critérios de prioridade.

A vacina da AstraZeneca deverá ser aplicada como D2 nos grupos de trabalhadores da indústria, trabalhadores da saúde, trabalhadores de transporte coletivo, caminhoneiros, pessoas de 55 a 59 anos e pessoas de 50 a 54 anos.

Leia Também:  Poder Público celebra acordo de leniência histórico para o Estado de Minas Gerais

Até essa sexta-feira (24/9), o Governo de Minas repassou aos municípios 24.945.029 doses de imunizantes contra a covid-19. O percentual de cobertura vacinal com a primeira dose já ultrapassou 88,8% da população acima de 18 anos e a segunda dose já alcança 48%.

Tendo em vista o objetivo principal da vacinação, de reduzir casos graves e óbitos pela doença, é fundamental alcançar altas e homogêneas coberturas vacinais. Para tanto, a SES-MG mantém todos os esforços para agilizar a distribuição das doses às Regionais de Saúde e garantir que a vacina seja aplicada em todo o público-alvo.

Logística

Receberá vacinas por aeronaves do CBMMG a seguinte URS:

-SRS Governador Valadares

Retirarão as vacinas na Rede de Frio da URS polo, ou receberão em sua própria Rede de Frio por meio do transporte de outra URS, as seguintes URSs:

–      GRS Ituiutaba (pegar com SRS Uberlândia)
–      GRS Januária (pegar com SRS Montes Claros)
–      SRS Juiz de Fora (pegar com GRS Leopoldina)
–      SRS Manhuaçu (pegar com SRS Ponte Nova)
–      SRS Passos (pegar com SRS Alfenas)
–      SRS Pouso Alegre ( pegar com SRS Varginha)
–      SRS Teófilo Otoni (pegar com GRS Pedra Azul)
–      GRS Ubá (pegar com GRS Leopoldina)
–      SRS Uberaba (pegar com SRS Uberlândia)
 

Leia Também:  Novo teste amplia precisão do diagnóstico de dengue

Retirarão as vacinas na Central Estadual de Rede de Frio, as seguintes URSs:

– SRS Belo Horizonte
– SRS Montes Claros
– GRS Itabira
– GRS São João del-Rei
– SRS Alfenas
– SRS Barbacena
– SRS Diamantina
– GRS Leopoldina
– SRS Patos de Minas
– GRS Pirapora
– SRS Ponte Nova
– SRS Varginha
– SRS Cel. Fabriciano
– SRS Divinópolis
– GRS Pedra Azul
– SRS Uberlândia
– GRS Unaí

Quantitativo

Acesse vacinaminas.mg.gov.br/ e acompanhe o quantitativo de doses recebidas pelo estado a cada remessa e as principais informações sobre a vacinação contra a covid-19 em Minas Gerais.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ALPINÓPOLIS E REGIÃO

MINAS GERAIS

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA