Rural

Em live, Senar-RS apresenta resultados do primeiro ano de ATeG

Publicados

em


O Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar-RS acaba de completar um ano de atividades no Rio Grande do Sul, atendendo a 2.712 produtores nas cadeias produtivas da Agricultura, Bovinocultura de Corte, Bovinocultura de Leite, Ovinocultura e, mais recentemente, da Fruticultura. 

Para exemplificar a evolução de alguns pecuaristas desde a implantação do programa, o Senar -RS realiza, na próxima terça-feira (11), a live ATeG Bovinocultura de Corte – ‘Promovendo Mudanças de Conceitos e Atitudes’. O evento será transmitido no canal do Senar no YouTube.

Com moderação do supervisor de ATeG Bovinocultura de Corte, Paulo Afonso Bolzoni, técnicos credenciados vão apresentar resultados positivos já identificados nos grupos implantados nas quatro regiões do Estado supervisionadas pelo Senar-RS. 

A ATeG presta assessoria diferenciada ao produtor rural. Nessa iniciativa, além de receberem consultorias para questões técnico-produtivas, ele aprende a fazer a gestão financeira da propriedade. O objetivo é que, adotando algumas práticas empresariais, ele consiga ampliar a eficiência, a produtividade e o lucro de seu negócio.

LIVE – ATEG BOVINOCULTURA DE CORTE – ‘PROMOVENDO MUDANÇAS DE CONCEITOS E ATITUDES’

Leia Também:  União pagou R$ 5,48 bi de dívidas de estados no primeiro semestre

Quando: terça-feira, 11 de maio, 19h30min

Onde: Canal do Senar no YouTube (www.youtube.com/SenarRioGrandedoSul)

Participantes:

  • Afonso Bolzoni, supervisor de ATeG Bovinocultura de Corte (moderador)
  • Carolina Heller Pereira, médica veterinária da Los Estribos Serviços de Agronomia e de Consultoria às Atividades Agrícolas e Pecuárias 
  • Erasmo Gonçalves de Souza Neto, engenheiro agrônomo da Froes e Neto
  • Lucas Prestes Chiappetta, zootecnista da Propisa Consultores Associados 
  • Otávio Steffli Machado, médico veterinário da Rural Serviços Veterinários 
  • Rubiele Muller de Vargas, médica veterinária da Leite e Corte Consultoria em Agronegócio 

*Esse texto pode ser livremente reproduzido mediante crédito a Senar-RS/Padrinho Conteúdo

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Rural

CNA levanta custos da pecuária de leite no Paraná

Publicados

em


Brasília (18/06/2021) – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) realizou nesta semana três painéis do Projeto Campo Futuro para levantar os custos de produção da pecuária de leite no Paraná.

Os encontros virtuais contaram com o apoio de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) e a participação de produtores rurais e representantes de sindicatos dos municípios de Castro, Cascavel e Toledo.

De acordo com o assessor técnico da CNA, Guilherme Dias, resultados preliminares revelaram que, de maneira geral, o concentrado é o principal item dos custos de produção, representando cerca de 40% do Custo Operacional Efetivo (COE) da atividade leiteira.

Toledo – O levantamento de custo em Toledo foi realizado na sexta (18). No município, predomina a produção em pequenas propriedades, de 25 hectares, com produção diária de 700 litros de leite de uma ordenha de 41 animais. Segundo Dias, a mão de obra é predominantemente familiar e o sistema de produção é semiconfinado.

“A alimentação do rebanho foi o item que mais pesou no bolso do produtor, com a ração concentrada comprometendo cerca de 43% da receita da atividade”, explicou.

Leia Também:  Após cursos em Espera Feliz (MG), jovem investe em torrefação

Cascavel – Os produtores de Cascavel participaram do levantamento de custo na quinta (17). Durante o painel, foi relatada a evasão da atividade por parte dos produtores com dificuldades de escala, em função dos elevados custos de produção.

O rebanho desses pecuaristas está sendo absorvido por produtores que têm investido na produção e possuem rebanho médio em torno de 70 vacas em lactação em propriedade modal de 50 hectares.

“Os produtores informaram que nos últimos anos também tem havido a migração do sistema produtivo semiconfinado para o sistema de compost barn. Entretanto, esses investimentos não se traduziram em maiores rentabilidades em razão das adversidades climáticas”, disse o assessor.

Castro – O painel realizado na quarta (16) apontou que a alta tecnologia está presente na maior parte das propriedades de Castro. A produção diária fica em torno de 5.500 litros, com cada animal, dos mais de 180 em lactação, produzindo 30 litros de leite por dia.

“Comparando ao painel realizado em 2017, percebemos que a inflação dos preços ao homem do campo culminou em aumento de cerca de 50% no valor imobilizado na propriedade leiteira. Nas fazendas da região os custos com alimentação giraram em torno de 58,4% do COE”.

Leia Também:  New Beef Company e Origem Premium estabelecem parceria na região do Vale do Araguaia/MT

Panorama – Segundo o assessor técnico da CNA, o valor recebido pelo leite cobriu os desembolsos dos produtores em todas as regiões pesquisadas. Contudo, as margens da atividade seguem apertadas.

“Ao calcular a margem líquida, surge a preocupação quanto à capacidade de manutenção da atividade no médio prazo. Com relação aos custos totais, nenhum dos sistemas produtivos foi capaz de suplantar tais custos”, destacou.

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araújo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
cnabrasil.org.br
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

ALPINÓPOLIS E REGIÃO

MINAS GERAIS

POLÍCIA

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA